quinta-feira, 19 de agosto de 2010

X-Men n°1 - Chris Claremont & Jim Lee



X-Men n°1 por Chris Claremont & Jim Lee

E já que comecei na postagem anterior o assunto dos X-Men de Claremont & Lee e toda aquela época, acho que já falei demais sobre isso por aqui, agora vai apenas as reportagens dos sites Universo HQ e Omelete sobre a notícia que está causando polêmica mundo afora e que retornou a discussão sobre aquele período nos Comics norte-americanos. Vejam:


.....................................................................................
X-Men #1, de 1991, entrou para o Guiness World Records

Por Sérgio Codespoti | 23-07-2010

No primeiro dia da San Diego Comic-Con, Chris Claremont foi agraciado com um prêmio do The Guinness World Records Book, o famoso livro dos recordes mundiais.
Claremont recebeu o prêmio, juntamente com Jim Sokolowski (executivo-chefe de operações da Marvel Publishing), por seu trabalho em X-Men #1, revista publicada pela Marvel Comics em 1991, que o Guiness World Records considera como a edição de revista em quadrinhos de maior vendagem da história.
A revista X-Men #1, escrita por Chris Claremont e ilustrada por Jim Lee (que atualmente é um dos chefões da DC Comics), arrecadou cerca de 7 milhões de dólares em unidades vendidas, com um preço de capa de 1,50 dólar.
X-Men #1 foi lançada com uma grande campanha publicitária e inicialmente publicada com quatro capas diferentes que juntas formavam uma imagem maior. Posteriormente, a Marvel relançou a edição numa edição de luxo, em papel couché, com uma capa dobrável quádrupla e outros extras, com um preço de capa de 3,50 dólares.
Existem quatro razões básicas para todo o furor ao redor do título: foi a primeira vez que os X-Men ganharam uma segunda revista mensal; a popularidade de Jim Lee como artista estava chegando ao seu ápice; o primeiro arco de três partes traria a última história de Magneto; e havia rumores de que esta seria a última história de Claremont nos X-Men.
Claremont saiu da revista após a publicação de X-Men #3, devido a diferenças criativas com o editor Bob Harras. A chamada Era Claremont nos X-Men foi de 1975 a 1991, sem nenhuma interrupção.
A morte de Magneto ocorreu no final do arco com a destruição de seu asteroide, numa sequência ambígua, e não foi permanente. Pouco tempo depois, os novos editores e escritores resolveram "reviver" o personagem, que continua em circulação até hoje.
Existe uma única dúvida sobre a premiação, em relação aos critérios usados pelo Guiness World Records para definir a categoria.
Se a categoria se refere exclusivamente aos comic books no formato americano (revista com aproximadamente 32 páginas), com certeza, X-Men #1 é o recorde mundial, mas se o critério não é esse, então outros personagens europeus, como Tintin e Asterix, que são anteriores aos X-Men estão em circulação há muitas décadas, também tem álbuns (formato europeu, 48 a 52 páginas) com milhares de edições vendidas e de milhões de euros arrecadados. E há ainda o mercado japonês, com seus números impressionantes.

...

X-Men #1 entra para o Guinness como gibi mais vendido da história
Chris Claremont recebe certificado durante a Comic-Con

Érico Assis 25 de Julho de 2010

O escritor Chris Claremont recebeu, durante a San Diego Comic-Con, um certificado do Guinness Book of Records pela entrada de X-Men #1 no livro como gibi mais vendido da história. A edição rendeu lucro bruto de US$ 7 milhões de dólares para a Marvel em 1991.
Na época, com a especulação em alta no mercado de quadrinhos, muita gente comprou diversos exemplares de cada capa alternativa (eram cinco). Nunca se divulgou dados precisos, mas estima-se que 8 milhões de exemplares tenham sido vendidos.
O Guinness ainda não divulgou nota oficial sobre a inclusão de X-Men #1 - e vários críticos já estão questionando a medida, pois o mercado japonês e europeu já conseguiu tiragens e vendas que pelo menos rivalizam com a da edição dos EUA.



PS: Pra mim, tenho a morte do Magneto até hoje como daquela forma.

Fontes:
http://www.universohq.com.br/
http://omelete.com.br/

Nenhum comentário: